Televes Televes
Televes
Language: en | fr | de | it | pl | pt | ru | es | en-us
Televes
Televes
Televes
Televes

2008-006 pt

Fibra Óptica

Descrição: 

Tipos de Fibra
As fibras em si podem ser de dois tipos: Fibras multimodo e fibras monomodo.
As fibras multimodo e são mais adequadas à transmissão digital de dados a curtas distâncias, enquanto as fibras monomodo são preferidas em aplicações que necessitem de percorrer maiores distâncias.
Quando se fala em fibra óptima em tecnologías de TV, fala-se em fibras monomodo.

Arquitectura

A arquitectura actualmente utilizada para servir os clientes pode ser de dois tipos: HFC (Hybrid Fiber-Coax - Híbrido Fibra-Coaxial) ou FTTC/B/H (Fiber to the Curb/Building/Home) - Fibra até aos passeio/edifício/Casa).

Quando utilizar?
A utilização de fibra óptica não é exclusiva dos operadores de cabo, uma vez que a tecnologia actualmente disponível por valores razoáveis já permite que se opte por esta soluçao em muitas situações.
Nomeadamente, quando se pretende distribuir sinal de satélite em redes de exterior em que seja necessários recorrer a amplificadores com o cabo coaxial, a fibra revela-se uma opção mais económica.
Também se revela mais económico recorrer a fibra óptica quando é necessário levar o sinal a grandes distâncias, uma vez que, actualmente, a afibra monomodo tem perdas de apenas 0,5dB/km, por oposição a 70dB/km do cabo 2140 (1/2"). Além disso, é importante realçar que as perdas ópticas da fibra são independentes da frequência, dispensado a necessidade de estar a equalizar o sinal a intervalos irregulares.

Cálculos na rede
Embora a fibra óptica seja mais semelhante ao cabo coaxial do que aos pares de cobre, em termos de projecto, esta tecnologia leva a que seja necessário aos projectistas/ instaladores estarem a par de uma forma diferente de efectuar cálculos sobre instalações de fibra óptica. É assim necessário fazer uma série de passos de cálculo para que se consiga determinar se uma determinada instalação é ou não adequada ao fim em causa. Estes cálculos resultarão em três parâmetros que permitem não só verificar se o "link" é viável como também permitem configurar o equipamento de rede de cabo coaxial. Começa-se entõ por calcular as perdas ópticas que ocorrem na fibra. Para tal, deve-se sempre utilizar os valores indicados pelo fabricante. Assim utilizam-se os valores de referência, que são os seguintes:

  • Perdas na Fibra: 0,5 dB/km
  • Perdas nos Conectores: 0,5 dB/conector
  • Perdas nos Repartidores Ópticos: 2S:3,6 dB. 3S:5,8 dB. 4S:7,4 dB.

As perdas são calculadas somando as diversas perdas individuais.

De seguida, calcula-se um parâmetro chamado Equivalent Input Noise (EIN) - Ruído Equivalente à Entrada. De uma forma simplificada, o EIN representa o nível de ruído que a ligação óptica acrescenta ao sinal de RF. Por outras palavras, se à entrada tivermos um sinal com 20 dBμV de ruído e o EIN for de 15 dB, à saída do link óptico teremos 35dBμV de ruído. O cálculo do EIN efectua-se em dois passos: Cálculo do EIN normalizado e cálculo do EIN propriamente dito. O EINn depende das perdas ópticas do link, sendo calculado com várias expressões. Quanto ao EIN, faz-se EIN = EINn + 10 x log (LB). Assim, quanto maior a Largura de Banda do sinal, mais este é afectado pelo EIN. Após o cálculo do EIN, está-se em condições de calcular a tensão mínima de entrada do emissor. Assim, para uma dada C/N, a tensão mínima de entrada é calculada como sendo VInmin = C/N + EIN. A tensão máxima de entrada (Vinmax) é função do número de canais e é uma característica do emissor de fibra.

Conclusão

Em conlusão, a fibra óptica é uma excelente alternativa ao cabo coaxial quando se deseja levar o sinal a distâncias consideráveis, permitindo importantes economias em material e permitindo reduzir a complexidade e o tempo necessário para a instalação.

A Televés garante que se podem cobrir distâncias até 30 Km não se utilizando repartidores, em sistemas cuja largura de banda seja cerca de 2400 MHz.

Televes
Televes Televes